Sobre o Incra em Goiás

Superintendência  do Incra em Goiás é  órgão do governo federal responsável por realizar a reforma agrária no Estado, entre outras atribuições.

Desde sua criação, em 1970, já são 287 assentamentos implantados e mais de 12 mil famílias assentadas em Goiás.

Veja aqui a distribuição dos assentamentos no Estado de Goiás, região por região.

Além de prover a terra, o Incra gerencia os assentamentos criados e faz convênios com o Estado e prefeituras para disponibilizar infraestrutura, créditos, assistência técnica, educação e saneamento, entre outros.

Com sede em Goiânia, a Superintendência tem assentamentos em todas as regiões do Estado e conta com cerca de 180 servidores.

O Incra é uma autarquia do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Goiás (SR-04) é uma das 30 superintendências regionais da autarquia.

 

Contatos – Fale com os chefes e responsáveis pelos serviços do Incra (Quem é quem)

Sugira matérias para serem publicadas aqui no Blog!

Sala de imprensa

 

Superintendência Regional do Incra em Goiás

Av. João Leite, 1520, Setor Santa Genoveva, Goiânia – 3269 1701
(em frente ao Clube Ferreira Pacheco)
Horário de funcionamento: das 08 hs às 18 hs, de segunda à sexta.

Fale com o Incra Goiás: goias@gna.incra.gov.br
Siga o Incra no Twitter: @incra_goias

27 comentários sobre “Sobre o Incra em Goiás

  1. Ligia Michelle Pereira de Sousa disse:

    gostaria de obter o modelo da ata do projeto apoio mulher e a instrução normativa do crédito.

  2. josue disse:

    sr presidente lembre de nos amt-associacao moises para terra, de goianesia – goias, ja temos 02 terras pra voces nos assentar, basta negociar com os proprietarios, por favor…..

  3. José disse:

    Gostaria de saber como está o andamento do processo de assentamento da fazenda nova esperança no municipio de Crixas – GO , associação frutos da terra , o processo ja caminha desde o ano de 2006 , esperamos ansiosos por resposta . atenciosamente muito Obrigado .

  4. jose de freitas disse:

    Freitas -Cianorte Parana.
    faz muitos anos que fiz uma inscrição através dos correios preenchendo um formulários da reforma agraria, e enviei por sedex, o numero do protocolo-RB316035456-BR, nunca obtive uma resposta por parte do Incra. estou no aguardo de ser incluído para obter um lote e o meu sonho, pois nasci e me criei na roça,mas não consegui a terra. hoje estou na cidade desgostoso e contrariado, mas confio no todo poderoso Deus, eu creio que e assim com muitos brasileiros, que sabe mexer com a terra e não tem posse da mesma, enquanto muitos não tem conhecimento nem vocação mas tem as posses. Estou no aguardo de uma resposta, fico muito grato.

  5. Agora sim o INCRA tem um Superintêndente de verdade, as reivindicações do PA Presente de Deus: Prioridade, implantação da Faculdade de Agronomia, energia, pronaf A, parceria com prefeitura para colocar infraestrutura no PA, em Goianésia estamos confiantes. As famílias do PA estão aciosas por uma visita sua.

  6. jaciara disse:

    Oi meu nome e jaciara queria saber como eu faço pra fazer parte desse acentamento do incra tem como vcs entra em contato comigo:email:jiaraf@hotmail.com

  7. Zelia Maria disse:

    Li nos últimos dias a nota de repúdio ao Governo Federal do PT, sobre a falta de compromisso e de um posicionamento frente a Reforma Agrária. Acredito que o governo tem de fazer alguma coisa. São inúmeras pessoas que aguardam em acampamentos anos e anos e muitos nem conseguem chegar a possuir essa terra. Estamos vivendo uma época de profundas crises, que tem de ser superadas, respeitando a vida daqueles que querem produzir alimentos. Lutemos por uma sociedade mais justa, onde todos possam viver com dignidade.

  8. Leandro Rosa da Silva disse:

    Acredito e defendo o INCRA como instituição importantíssima para o desenvolvimento da reforma agraria, o que falta além de compromisso de alguns servidores é investimento na autarquia. Quem vai na instituição sabe a realidade o quanto sofre o servidor que realmente luta para que chegue ao assentado os poucos recursos disponíveis nós movimentos sociais devemos cobrar do Governo recurso, capacitação, qualificação. Se pensamos que esta ruim agora imagina sem o INCRA como seria?

  9. junior almeida freire disse:

    balela de funcionario publico pos sobre qual direito estas pessoas estão reinvidicando seus direitos de se beneficiarem com propriedades alheias , não venham me dizer que através da cf , onde rege que todos tem direito a moradia , d

    1. Caro,
      O Incra só cria assentamentos em terras já desapropriadas ou compradas pela autarquia e nunca em ‘propriedades alheias’. E a desapropriação implica no pagamento, pelo Governo Federal, dos valores de mercado do imóvel ao expropriado.
      A reforma agrária em terras improdutivas não é interpretação ou inferência sobre direitos mais gerais da Constituição Federal. Pelo contrário, a reforma agrária é assunto da Constituição Federal nos artigos 5º, 170, 184, 185, 186, 187, 188, 189, 191 e 243.
      Além da Constituição, existem outras leis que regulamentam a reforma agrária prevista na Constituição, como o ‘Estatuto da Terra’ – a Lei 4.504/64 e a Lei 8.629/93.
      Leia mais sobre nos seguintes endereços:
      http://www4.planalto.gov.br/legislacao/legislacao-por-assunto/reforma-agraria-teste#content
      e
      http://www.incra.gov.br/index.php/institucionall/legislacao–/legislacao-federal/constituicao-federal
      O processo de desapropriação se dá na Justiça, seguindo todos os trâmites exigidos pela legislação, incluindo o direito de defesa e de contestação em qualquer fase do processo.
      Gilson Afonseca
      Assessor de comunicação social do Incra em Goiás.

  10. dorcas isabel disse:

    por favor lembrem-se dos acampados do acampamento Beira Rio em Acreúna a anos estamos na espera só queremos trabalhar e viver com dignidade coisa que nestes acampamentos na beira das estrada sem agua potável ,sem saneamentos tendo que fazer necessidades dentro das matas correndo todo tipo de riscos,olhem com carinho por nós aqui no municipio de Acreúna e pelo amor a Deus lembre se de nós Sr.Jorge Tadeu.

  11. CARLOS A. RUSMAO disse:

    Gostaria de saber em media quantos meses ou anos, o incra leva pra assinar o CCU para o empossado??

  12. rosaria disse:

    Por favor, Sr.Jorge Tadeu. lembrem-se dos acampados do acampamento soberano em sao miguel do araguaia, a anos estamos na espera, só queremos trabalhar e viver com dignidade. nestes acampamentos na beira das estrada sem agua potável, muito calor, em barracos de lona . Estamos com medo das chuvas com muitos ventos. E`horrivel epoca de chuva as lonas nao cercam as aguas e ventos com chuva. olhem com carinho por nós aqui e pelo amor a Deus lembre se de nós Sr.Jorge Tadeu.

  13. Lorenzo disse:

    Ola boa noite,, venho por meio desta mensagem tirar algumas duvidas,,,se possivel poder me responder agradeço desde ja,,,,Como que eu faço pra saber se um determinado acampamento esta incluindo no programa de reforma agraria do INCRA ou seja esta cadastrado no incra para receber posse da terra ??? como que fico sabendo quais as regiões que estão as fazendas ja destinadas para assentar os novos posseiros?????

    1. Prezado Lorenzo,
      Você pode ligar na sede da superintendência regional do Incra no seu estado. Sobre os acampamentos, converse na Ouvidoria Agrária Regional.
      Sobre regiões com fazendas recém destinadas à reforma agrária (em fase de criação de assentamento), procure o Serviço de Cadastro e Seleção de Famílias.
      Acompanhe também as notícias aqui no Blog e, principalmente, no site do Incra: http://www.incra.gov.br

      Gilson Afonseca
      Assessoria de Comunicação Social do Incra em Goiás

  14. sebastiana martins disse:

    Boa Tarde Caro Gilson.

    Tenho acompanhado ultimamente os comentários e as respostas dadas pelo incra através da assesseoria de comunicação a qual está sob sua responsabilidade e,
    é notório o que já foi feito pelo governo para atender a demanda da reforma agrária mas é notório também,o quanto ainda há por fazer. Há famílias aguardando pelo seu pedaço de terra em acampamentos às margens das rodovias e segundo relatam,ainda não foram contempladas com a reforma agrária.

    Aqui em Goiás a demanda está muito acima da média do que se proõe para a reforma agrária ou é de acordo com a demanda que se cria os projetos dos assentamentos? Porque ainda existem tantos acampamentos e estes ainda naõ foram assentados?
    Quero registrar o quanto achei interessante o programa de reforma agrária que até então,eu pensava igual ao colega à acima,que o lavrador não tinha direito à terra mas,
    olhando pelo anglo de dignidade,trabalho,produção de alimentos(as pessoas da cidade
    vão ao supermercado e nem sabem de onde vieram ou quem produziu os alimentos)eenfim,são os pequenos produtores que fazem a diferença e fomenta a agricultura familiar pelo Brasil à fora.
    Gilson,continuo a observar suas respostas e com elas,vou me inteirando sobre o
    fascinante programa da Reforma Agrária.

    obs:Fiz alguns questionamentos e aguardo respostas.

  15. josé welton confessor disse:

    boa tarde gostaria de saber porque para ser criado um assentamento demora tantos anos e quando o governo quer fazer alguma obra a propriedade logo é desapropriada não seria falta de comprometimento com os menos favoreçidos deste pais aguardo resposta ass:josé welton

    1. Caro,
      Há um rito legislativo bem complexo para a desapropriação.
      Soma-se a isso o fato de a Reforma Agrária não ser unanimidade como programa de governo e sofrer resistência por diversos setores da sociedade.
      O processo de desapropriação pode ser contestado por terceiros em quase todas as fases, o que contribui para a demora da decisão final.
      O Incra é sim o órgão designado para executar a reforma agrária no país, mas é preciso ter em conta que ele presta um serviço à sociedade que se representa por um governo . O comprometimento do Incra e deste governo com os menos favorecidos é o mesmo da sociedade como um todo.

      Gilson Afonseca,
      Assessoria de Comunicação Social do Incra em Goiás

  16. Patric douglas disse:

    Gostaria de saber se nao tenho vinculo com algum movimento social posso me cadastrar para ter um lote

    1. Não é necessário ter vínculo com movimento social.

      O Incra cadastra qualquer cidadão que se enquadre no perfil do beneficiário da reforma agrária.

      O movimento social de luta pela terra é uma estratégia dos trabalhadores rurais sem terra para pressionarem os governos por terra.

      Nenhuma normativa interna do Incra obriga o órgão a só assentar quem estiver acampado ou for integrante de um movimento social.

      Gilson Afonseca,
      Assessor de Comunicação Social do Incra em Goiás.

  17. renata disse:

    sobre o muito que vi de comentários, perguntas e respostas, nesses blogs do INCRA, pude perceber que de fato é correto que tem muita gente usando de má fé com os lotes ganhos, comercializando, usando para férias ou coisa assim e que a ação do INCRA de impedir isso é de suma importancia. Porém acho que existe uma severidade radical quanto à essa lei de não vender, não doar, não emprestar e assim vai. Pois se formos observar esses assentamentos mais antigos, 98% de seus moradores são senhores, que nao possuem mais força pra trabalhar. essas pessoas doaram toda sua vida nisso e fora isso nao possuem nada mais. esperaram ( em alguns casos), até 20 anos por essa tal consolidação do Assentamento, o que nunca aconteceu. E ai?, essas pessoas vão simplesmente morrer ali,( em muitos casos esses Senhores estão doentes, precisando do amparo da família, precisando de recursos maiores ) ou sair, morar de favor, porque aquilo em que passaram toda a vida, nunca se tornou deles e não podem levar nada dali? Inclusive achei de muito mau gosto uma resposta dada pelo INCRA, na qual disse que se não iriam conseguir cuidar da terra porque entraram nessa ( algo nesse sentido) , lembrando que quando entraram , acreditando na palavra de que não era algo demorado , eram jovens e com força pra cuidar.Deveriam rever, pois cada caso é um caso.

    1. Cara Renata,

      O Incra trata caso a caso, naquelas situações em que ele é procurado.

      O trabalho do Incra é garantir que trabalhadores rurais em situação de pobreza ou fome tenham uma terra que lhes dê alguma renda, trabalho, alimentação e estabilidade econômica e social.

      O Incra não persegue famílias ou assentados que não tenham condição de explorar suas parcelas.

      Pelo contrário, a ação do órgão incide sobre quem compra, entrando na Justiça para reaver o lote e colocando no local alguém que realmente necessite da terra para sobreviver.

      O indivíduo que quer produzir e tem dinheiro para investir numa terra não é o público alvo do trabalho do Incra.

      Quando o Incra tem de aceitar esse cidadão como assentado, o órgão é obrigado a lhe repassar recursos e disponibilizar benefícios.

      E o dinheiro que deveria estar sendo investido no combate à fome e à pobreza no campo passa a ser utilizado por alguém que, além de não necessitar, passa a ter mais direitos e benefícios que os demais cidadãos de mesma condição financeira.

      Ou seja, ele passa a ter privilégios enquanto famílias pobres seguem por anos aguardando a compra de uma fazenda pelo Incra para terem oportunidade de terem ao menos uma vida digna.

      O cidadão que, mesmo sabendo que a terra que ele deseja é alvo de um programa social, insiste em comprar uma terra (pagando – sabidamente – um valor bem menor que o de mercado), age contra a reforma agrária e barra a oportunidade de uma família carente mudar de vida.

      E é justamente nossa sensibilidade às necessidades das famílias em situação de risco que nos faz rigorosos, mas sempre com o amparo da Lei.

      O Incra em Goiás está atento às necessidades dos assentados e não há notícias de que tenhamos processado alguém que vendeu – indevidamente – seu lote.

      E, finalizando, a lógica do Plano Nacional de Reforma Agrária e da legislação é que a parcela seja explorada pela família do assentado.

      A incapacidade de exploração de um lote não significa necessariamente que o assentado deva vender ou dispor do lote.

      O Programa foi pensado para que a família siga explorando o lote enquanto for conveniente.

      Claro que há situações diversas e o Incra tem analisado caso a caso, dentro do que a legislação permite e no limite de nossas responsabilidades na gestão de recursos públicos.

      Agradecemos sua disposição, Renata, em dialogar conosco e nos colocamos à disposição para outras informações.

      Gilson Afonseca,
      Assessoria de comunicação social do Incra em Goiás.

  18. renata disse:

    Gostaria também de saber como faço para obter a informação sobre determinado Assentamento que por sinal bastante antigo, de como está o andamento da sua consolidação? Onde posso me informar? Aguardo resposta.

    1. Cara Renata,

      A senhora deve procurar a Divisão de Desenvolvimento na sede do Incra no seu estado para saber com mais detalhes o status do assentamento.

      No site do Incra, há uma tabela com todos os assentamentos criados e informações sobre a situação de cada um.

      O endereço da tabela no site é (copie e cole no seu navegador) :
      http://www.incra.gov.br/sites/default/files/uploads/reforma-agraria/questao-agraria/reforma-agraria/relacao_de_projetos_de_reforma_agraria.pdf

      A coluna “Fase” (a 7ª da esquerda para a direita) traz a informação que a senhora deseja. Há um número que corresponde a uma situação, conforme a legenda ao final da tabela.

      Gilson Afonseca,
      Assessoria de Comunicação Social do Incra em Goiás.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s