Agrônomo do Incra publica artigo científico em jornal inglês

 

O engenheiro agrônomo do Incra em Goiás Marcelo Scolari Gosch teve artigo científico publicado, no último dia 14, no site do Journal of Land Use Science – publicação inglesa referência internacional em questões de uso do solo e sensoriamento remoto. O título do estudo é The role of the rural settlements in the Brazilian savanna deforesting process (O papel dos assentamentos rurais no processo de desmatamento da savana brasileira). O mesmo texto estará na próxima edição impressa do periódico.

De acordo com o agrônomo, a principal constatação de seu trabalho é que os três assentamentos pesquisados tem, proporcionalmente, mais vegetação conservada em seu interior quando comparado com as demais propriedades rurais em seu entorno. Para Gosch, isso se deve em parte ao fato destas terras estarem inseridas dentro da realidade local, além de serem mais visíveis aos entes públicos que fiscalizam a questão.

“Em todos os assentamentos estudados verificou-se a conservação de mais de 82% da vegetação nas reservas legais”, ressalta. Ele observa que o respeito às reservas legais coletivas contribuiu para a maior área proporcional de vegetação, apesar de não impedir totalmente o desmatamento ilegal. No entanto, o agrônomo refuta a premissa de que os agricultores familiares são os principais atores do desmatamento regional. “As áreas pesquisadas tem desenvolvimento semelhante ao contexto em que estão inseridos, então, a tendência é seguir o desempenho das regiões de que fazem parte”.

O artigo é fruto da dissertação de mestrado de Gosch realizado na Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás (UFG), em parceria com o Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento – LAPIG/UFG. O trabalho, concluído ano passado, pesquisou a influência das atividades agrícolas no desmatamento de três assentamentos em diferentes regiões do estado de Goiás.

Saiba mais
Para acessar o artigo completo, figuras e tabelas em resolução plena, acesse o link http://www.tandfonline.com/eprint/AJyvhMhRYI8v26HHAZXE/full ou o portal do Lapig/UFG: http://migre.me/vyAPa

Agrônomo do Incra publica artigo científico em jornal inglês

Seminário discute educação de jovens e adultos no campo

dsc_5182
Superintendente do Incra/GO, Eurípedes Malaquias de Souza, durante abertura do Seminário 

Incra Goiás (Incra/GO), por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), e Universidade Federal de Goiás (UFG) realizam o I Seminário Regional do Pronera – Educação de Jovens e Adultos (EJA), no auditório da Faculdade de Direito, na Praça Universitária. A abertura da reunião ocorreu ontem (16) às 19h, com a participação do superintendente Regional do Incra/GO, Eurípedes Malaquias de Souza, e do vice-reitor da UFG, Manuel Rodrigues Chaves. Em sua fala de abertura, o superintendente do Incra/GO frisou a importância do Pronera e da educação formal para o empoderamento dos campesinos.

Até sábado (19), representantes do Incra, professores e estudantes movimentarão o auditório da Faculdade de Direito debatendo assuntos como reforma agrária na atualidade, Pronera, EJA e escola sem partido. De acordo com a asseguradora do Pronera em Goiás, Marília Souto Barreto, todos esses temas estão vinculados à proposta do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária de formar pessoas com visão crítica de mundo.

Marília ressaltou que o objetivo maior do seminário é realizar uma avaliação do processo de formação dos estudantes que estão nas salas de EJA/Pronera/UFG. A ideia é verificar a situação destes alunos antes de iniciar o processo de escolarização e alfabetização, observando resultados e expectativa de vida destas pessoas. “Nós temos relatos que mostram que eles passaram a se socializar melhor e até a ter mais domínio do seu ofício após a conhecerem a leitura”, afirma a técnica do Incra/GO.

Segundo contam os estudantes, com a descoberta da leitura, podem se locomover melhor no transporte coletivo, tem mais segurança na hora de efetuar suas compras no mercado e nas lojas de produtos agropecuários. Várias destas histórias estão num vídeo que a UFG gravou e que será exibido durante o seminário. Marília lembra que outra mudança percebida entre os grupos que voltaram para a sala de aula é a vontade de continuar os estudos.

Programação do I Seminário Regional do Pronera (auditório da Faculdade de Direito/UFG)

16/11 (19h) – quarta-feira: abertura solene

17/11 – quinta-feira

Manhã (9h) – mesa redonda: Reforma Agrária hoje;

Tarde (14h) – grupos de discussão;

Noite (19h30) – mesa redonda: Escola sem partido;

18/11 – sexta-feira

Manhã (9h) – mesa redonda: Pronera e EJA: um debate sobre educação de jovens e adultos no campo;

Tarde (14h) – grupos de discussão;

Noite (19h30) – socialização dos grupos de discussão;

19/11 – sexta-feira

Manhã (9h) – Plenária de aprovação do documento final sobre Pronera-EJA.

Seminário discute educação de jovens e adultos no campo

Incra cria 14º assentamento em Crixás

go-incra-cria-assentamento-crixas-08marco

O 14º assentamento do município de Crixás chama-se 08 de Março, e foi criado pelo Incra no dia 20 de outubro, através de portaria publicada no Diário Oficial da União.

O imóvel, a antiga fazenda Piquirici, tem 1.312 hectares e capacidade para assentar 29 famílias de trabalhadores rurais sem terra.

A fazenda foi comprada pelo Incra com investimento de R$ 6.153.758,53. O custo-família, valor que os beneficiários deverão pagar ao Incra, ficou em R$ 212.198,57.

O novo assentamento se destaca pela hidrografia e boa localização: a GO-336 é uma das divisas do assentamento e liga os municípios de Guarinos e Crixás, distante 35 km do 08 de Março.

 

HIDROGRAFIA FAVORÁVEL
go-piquirici-represa2
Segundo o laudo de vistoria e avaliação realizado por peritos federais agrários do Incra, o imóvel tem bom potencial hídrico, com muitas represas e córregos.

O assentamento 08 de Março é servido pelo ribeirão Soberbo e pelos córregos Fundo, Da Pedra e Piquirici – que deu nome à fazenda. Também possui dezenas de represas, além de um lençol freático raso, que facilita a abertura de cisternas e poços artesianos.

Ainda de acordo com o laudo, o assentamento 08 de Março é propício à agricultura para subsistência em pequenas faixas, com destaque para a produção de abacaxi, arroz sequeiro, banana, cana-de-açúcar, feijão, mandioca, milho e palmito. O estudo relata ainda que o clima da região favorece o cultivo de pastagens para a bovinocultura.

 

BENFEITORIAs no valor de 1 milhão de reais

O novo assentamento será entregue aos beneficiários com duas casas de alvenaria (a sede e uma de funcionários); rede de energia elétrica; cercas de arame liso; 4,25km de estradas vicinais; curral; chiqueiro; 13 casas de cocho; cancelas e lances em madeira; cisterna alçada e uma grande área de pastagem.

Pelas benfeitorias, incluindo as dezenas de represas, o Incra investiu mais de 1 milhão de reais.

 

REIVINDICAÇÃO ANTIGA
go-piquirici-sedecomacampados

 

A fazenda Piquirici foi vistoriada e avaliada em 2015, por peritos federais do Incra. Como ficou constatado que ela era produtiva e viável o Incra a adquiriu através do processo de compra e venda.

Em setembro do mesmo ano a população aprovou o prosseguimento da compra, em audiência pública realizada na Câmara Municipal de Crixás.

Com a aprovação da população e assentimento do Conselho Diretor do Incra Goiás, em outubro de 2015, a autarquia deu prosseguimento à aquisição, que culminou com a criação do assentamento, no dia 20 de outubro passado.

Incra cria 14º assentamento em Crixás

Incra vistoria kit de panificação que será entregue a assentados

go-vistoria-kits-panifica
Da esquerda para a direita, Eurípedes Malaquias, Leide Aparecida, Victor Braz e Henrique Amorim checam o equipamento adquirido pelo Incra. Kit será entregue aos assentados nos próximos dias.

O superintendente do Incra em Goiás, Eurípedes Malaquias de Souza, e os servidores Henrique Esteves Amorim, coordenador regional do Terra Sol, e o analista em Reforma Agrária, Victor Hugo Caetano Braz , acompanhados da presidente da Associação de Moradores do Projeto de Assentamento Genipapo (Amag), Leide Aparecida de Souza Morais, vistoriaram, ontem (31), na sede da instituição em Goiânia, os equipamentos de panificação adquiridos por meio do Terra Sol, ação do Incra que apoia a implantação e o desenvolvimento de agroindústrias em áreas da reforma agrária.

A Amag será a primeira associação de assentados a receber os equipamentos comprados pelo Incra/GO visando dinamizar a economia dentro dos assentamentos. A entrega será realizada nos próximos dias na Panificadora Doçura, instalada no assentamento Genipapo, no município de Acreúna, região sul do Estado.

O Incra/GO entregará à Amag, por meio de termo de permissão de uso, um kit com 17 equipamentos, como balança para pesagem de produtos; mesas; estantes; batedeiras até fogões, fornos e freezeres, etc.

“Nossa panificadora ficará bonita demais”, afirma Leide sorrindo ao conferir os utensílios. Ela conta que a Doçura existe há cinco anos, funcionando com equipamentos de segunda mão. Mesmo assim, eles fornecem cerca de três mil panificados três vezes na semana para onze escolas na região de Acreúna através dos Programas de Aquisição de Alimentos (PAA) e Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Cerca de 20 assentados tiveram sua renda ampliada pelo trabalho na panificadora. Com os novos equipamentos, Leide planeja aumentar a produção e, por consequência, o orçamento familiar dos camponeses. Hoje, segundo ela, cada família recebe cerca de R$ 1 mil líquido por mês.

Licitação aberta a adesões

A licitação de aquisição de equipamentos destinados à implantação de panificadoras em assentamentos da reforma agrária foi feita em janeiro deste ano, mas, está aberta a adesões.

Para receber os maquinários, as associações ou cooperativas de assentados devem protocolar as propostas, de acordo com o Manual da Ação Terra Sol – anexos 2, 3 e 5, na Sala da Cidadania, em Goiânia (Av. João Leite, nº 1.520, St. Santa Genoveva). Os documentos devem ser remetidos ao superintendente regional Eurípedes Malaquias de Souza.

Regras à adesão

As entidades interessadas em implantar panificadoras devem estar legalmente constituídas como associações ou cooperativas e a proposta deve ser elaborada por um responsável técnico.

Também é necessário ter estrutura predial disponível para instalação da panificadora no núcleo coletivo (mesmo que seja necessária adequação, reforma ou ampliação); ter plano de atendimento às regras de vigilância sanitária, de instalação e de funcionamento vigentes e ter foco em comercialização para os Programas Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) de Aquisição de Alimentos (PAA), entre outras.

Ideia da adesão surgiu durante especialização

A adesão da Amag ao processo de licitação do Incra para aquisição de kits de panificadoras é fruto do curso de especialização em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, realizado pela Universidade Federal de Goiás com recursos do Incra por meio Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera).

O técnico do Incra/GO, Victor Hugo Braz, ao realizar seu trabalho de final de curso sobre os impactos do PAA e PNAE no PA Genipapo, percebeu que a comunidade tinha condições plenas de aderir à ata do processo de licitação em curso.

Ele informou a Associação sobre esta ação, incentivou e colaborou para elaboração do projeto que hora foi aprovado.

Incra vistoria kit de panificação que será entregue a assentados

Telefones estarão mudos até dia 07

telefonemudo

Devido à mudança de operadora de telefonia, os telefones do Incra Goiás não estão funcionando.

O atendimento presencial segue normalmente, das 8:00h às 18:00h, na sede da superintendência.

De acordo com a nova operadora, o serviço de telefonia será restabelecido até dia 07 de novembro.

Até lá, contamos com a compreensão de todos.

Lembrando que o e-mail geral do Incra Goiás é  goias@gna.incra.gov.br

Telefones estarão mudos até dia 07

Ocupação interrompe atendimento à população

desocupa

Manifestantes ocuparam a sede do Incra Goias, nesta manhã (17). Os portões foram trancados e os servidores impedidos de entrar no prédio.

O atendimento à população está suspenso até que os manifestantes deixem ou prédio ou liberem o acesso dos servidores.

O Incra lamenta a interrupção das atividades, já que mantém diálogo rotineiro com todos os movimentos sociais.

Estamos aguardando a pauta dos manifestantes para inciar a negociação para desocupação.

Ocupação interrompe atendimento à população

Equipe do Incra Goiás faz treinamento para analisar o desbloqueio do TCU

Durante todo o dia (10), cerca de 40 técnicos das Divisões de Desenvolvimento (DD) e Obtenção (DT) do Incra em Goiás participam de treinamento sobre os procedimentos que serão adotados pela autarquia para analisar os indícios de pendências nos cadastros de famílias assentadas no Estado.

Esta capacitação atende às orientações do Plano de Providência Regional (PPR) elaborado para atender às exigências do Tribunal de Contas da União (TCU) em relação à seleção de beneficiários da reforma agrária e sua permanência nos assentamentos, conforme o Acórdão TCU 775/2016.

De acordo com o chefe da Divisão de Desenvolvimento (D), Waldery Melo, as medidas são suficientes para solucionar o impasse no cadastro dos beneficiários da reforma agrária e desbloquear as famílias que apresentarem documentação atestando correição de sua situação.

É importante frisar que apenas o Incra tem competência para fazer a comunicação de possíveis irregularidades no cadastro ao assentado. Apenas a autarquia e suas superintendências regionais podem realizar o chamamento para que o agricultor se apresente para sanar suas possíveis pendências.

 

Trabalho começa pelos documentos inclusos em cada processo

Zenaldo Almeida, um dos técnicos que organizou o PPR, diz que os trabalhos de análise das pendências começa de imediato com a avaliação dos cadastros armazenados no Sistema de Informações de Projetos de Reforma Agrária (SIPRA).

Segundo ele, os documentos constantes nos processos dos assentados podem solucionar alguns dos indícios de irregularidades apontados pelo TCU.

Se não for possível sanar as pendências com essa reanálise processual, os técnicos do Incra vão a campo vistoriar e solicitar os documentos pertinentes.

Atualmente, em Goiás, são cerca de sete mil famílias bloqueadas pelo Acórdão TCU 775/2016 em aproximadamente 300 assentamentos.

Zenaldo explica que o Incra/GO terá 10 equipes de técnicos para atender, em média, 30 áreas de reforma agrária.

O órgão estima seis meses para realizar o trabalho.

Equipe do Incra Goiás faz treinamento para analisar o desbloqueio do TCU